?>

S.Nasrallah: A internacionalização da crise libanesa é uma declaração de guerra. Se Israel declarar guerra, sua frente interna enfrentará realidades sem precedentes

S.Nasrallah: A internacionalização da crise libanesa é uma declaração de guerra. Se Israel declarar guerra, sua frente interna enfrentará realidades sem precedentes

Discurso televisionado do Secretário Geral do Hezbollah Sayyed Hassan Nasrallah por ocasião da lembrança dos líderes mártires, na terça-feira, 16 de fevereiro às 20h30 (horário de Beirute / Al-Quds ocupada)

Agence de Nouvelles d'Ahlul Bait (ABNA) : Redação do site

O secretário-geral do Hezbollah rejeitou firmemente qualquer internacionalização do arquivo da formação do governo libanês.

“Qualquer pedido de uma resolução internacional sob o Capítulo VII é uma declaração de guerra. É um apelo à ocupação do Líbano por tropas estrangeiras e à interferência de todo o mundo nos assuntos libanêses”, disse terça-feira, 16 de fevereiro, Sayyed Hassan Nasrallah, num discurso transmitido pelo Canal Al Manar por ocasião do aniversário do martírio dos comandantes da resistência.

O líder do Hezbollah ameaçou ainda mais ‘Israel’ em caso de guerra contra o Líbano.
“A frente interna israelense enfrentará problemas e realidades sem precedentes. Não haverá guerra de apenas alguns dias. O eixo de resistência está pronto para uma longa guerra”, disse.

Os principais pontos de seu discurso:

A comemoração dos comandantes da resistência martirizados neste ano coincide com várias comemorações, incluindo a vitória da Revolução Islâmica no Irã em 1979. O Irã desafiou e lutou contra o embargo e as sanções para se tornar uma potência regional defendendo sua soberania e sua liberdade.

Entre as comemorações de fevereiro, menciono a revolta popular no Bahrein. A população saiu às ruas para reivindicar pacificamente seus direitos. No entanto, este levante foi reprimido (pelo regime) onde houve mortes, feridos e prisioneiros. Apesar disso, eles continuam a se opor à normalização do regime com o inimigo sionista.

Retornando à comemoração de nossos mártires: Sayed Abbas Moussaoui, sua esposa e seu filho, bem como o comandante da alta resistência Haj Imad Moghniyeh e o Sheikh Ragheb Harb, notamos que todos eles têm características comuns. Seus objetivos principais eram a proteção da Resistência e seu desenvolvimento. Eles nunca desistiram disso, apesar das condições difíceis que enfrentaram. Hoje, nossas condições de vida são mais confortáveis.

Quando o Sul do Líbano foi invadido por dezenas de milhares de soldados israelenses, o Cheikh Ragheb se recusou a apertar a mão dos israelenses, pois isso implica em seu reconhecimento. Sua posição abriu caminho para a luta armada contra a ocupação. Hoje precisamos da posição do Sheikh Ragheb para contrariar a normalização ou um acordo de paz esteja feito.

Quanto o Haj Imad, ele estava preocupado em desenvolver o potencial da Resistência. Seus irmãos na resistência continuam fortalecendo o seu caminho para enfrentar os nossos inimigos antes que os amigos percebam esta realidade.

O Sayyed Abbas fez o mesmo e recomendou preservar a Resistência, servir e ficar com o povo. Servir as pessoas significa ajudá-las, defendê-las diante da pobreza, da injustiça e da ocupação. Servir às criaturas de Deus é uma das obras mais importantes que nos aproxima de Deus.

O Hezbollah defende nosso povo em todos os níveis e em face das ameaças sionistas ou takfiristas.

Internacionalização do dossiê libanês

Os apelos lançados nos últimos meses para uma intervenção da comunidade internacional ou uma resolução ao abrigo do Capítulo VII da ONU constituem uma declaração de guerra. Essa internacionalização implica a ocupação do Líbano por tropas estrangeiras e a interferência de todo o mundo nos assuntos internos. Esta questão é muito perigosa para o Líbano, seu futuro e sua soberania.

Quando o arquivo libanês passa a estar nas mãos dos grandes, é o interesse de Israel que conta para eles. Isso poderia, por exemplo, abrir caminho para a naturalização de refugiados palestinos e sírios, ou para a demarcação das fronteiras marítimas de acordo com os próprios interesses do inimigo israelense.

Recusamos qualquer tipo de internacionalização, mas isso não impede de pedir ajuda a um amigo. Em vez de chegar numa solução, a internacionalização, pelo contrário, reforçará a crise.

Campanha sistemática da mídia contra o Hezbollah

Assim que algo acontecer no Líbano, a mídia, as redes sociais e alguns meios de comunicação árabes cúmplices estão prontos para acusar o Hezbollah.

Os insultos e acusações contra o Hezbollah mostram a fraqueza e a incapacidade de quem os lança. Os autores desses insultos não conseguirão alcançar a resistência. E as acusações feitas vão contra todas as normas, regras e leis aplicáveis.

Geralmente nas leis, todo acusado é considerado inocente até que se prove sua culpa. Mas a presunção de inocência nunca é aplicada ao Hezbollah.

Apelo às pessoas próximas e defensores da Resistência a não seguirem este exemplo e não responderem às acusações e insultos com mais insultos.

Ainda é o Hezbollah que é considerado o assassino, até que se prove a culpa. Você acusa o Hezbollah de ter matado tal e tal pessoa porque eles foram assassinados em uma de suas regiões e eles deveriam revelar os autores. Isso é estranho! Vamos aplicar sua equação às regiões onde você domina. Por que você ficou surpreso ao saber que Israel pode acabar com seus agentes?

Leia os livros, você que afirma ser um povo culto, e aprenda como Israel está matando seu próprio povo. Ele fez isso no Egito, Iraque e Europa para encorajar os judeus a imigrar para Israel. Você está surpreso com esses fatos porque você os ignora.

Tudo o que vemos de ataques na mídia é uma campanha sistemática paga para atacar o Hezbollah e manchar sua imagem.

Se o objetivo dessas acusações é prejudicar a reputação da resistência e provocar dissensões em seus sistemas, então esse objetivo falhou e teve até o efeito contrário.

Agradeço a todos os amigos e os aliados que defenderam a Resistência diante dessas acusações estúpidas.

Revelação da investigação sobre a explosão do porto de Beirute

A respeito da explosão em Beirute, eu disse em meu discurso anterior que a investigação técnica realizada pelo exército foi concluída e foi transferida para a Procuradoria Geral, e insisti na importância de revelar os resultados desta investigação.

Depois do meu discurso, nossos deputados acompanharam este assunto com o Exército Libanês e o Chefe de Estado. O caso está atualmente nas mãos da justiça. E o interessado deve divulgar o resultado desta investigação técnica. Isso é do interesse do país em todos os níveis, bem como das famílias dos mártires. Reiteramos nosso apelo à divulgação dos resultados da investigação.

Enquanto isso, as agências de seguro afirmam que aguardam os resultados da investigação para pagar ou não às pessoas afetadas, cujas casas e carros foram destruídos.

Estas agências têm de pagar aproximadamente US $ 2 bilhões e US $ 200 milhões às vítimas do desastre. É um assunto vital para a cidade de Beirute e para todo o país.

Um gabinete de 20 ou 22 ministros

Acho que todos querem formar um governo, apesar das denúncias dos diferentes partidos. « Devem parar de nos acusar de  que não queremos montar o gabinete. Alguns afirmam que o Hezbollah deseja adiar este prazo até que as negociações internacionais sobre a questão nuclear iraniana sejam retomadas. Isso não faz sentido ».

Esperar que a comunidade internacional viesse e pressionasse sobre certas partes é uma perda de tempo e experiências anteriores mostraram que foi desnecessário. O principal obstáculo da crise é interno. Aumentar os litígios gera mais crises na formação do governo o que não é benéfico.

É injusto culpar o presidente Michel Aoun pelo bloqueio.

Além disso, definir a barra muito alta apenas bloqueia a situação. Entendemos que o Chefe de Estado exige a nomeação de alguns membros da equipe governamental.

O tandem Hezbollah-Amal queria obter o ministério das finanças e nomear seu ministro e, portanto, temos que entender que outras partes estão pedindo o mesmo.

Nós entendemos os temores de Saad Hariri sobre o terceiro partido de bloqueio, mas por que insistir em um governo de 18 ministros. Este número deve ser questionado. Aumentar o número de ministros para 20 ou 22 tornaria possível avançar nas discussões e suavizar as coisas. E isso permitiria envolver formações que se consideram injustiçadas na formação do futuro gabinete.

A relação do Hezbollah com a CPL

Quinze anos após o acordo entre o Hezbollah e a Corrente Patriótica Livre (CPL), aproveitamos suas vantagens. Muitos esperavam o colapso desse acordo, mas ele se manteve firme todos esses anos. Este acordo foi benéfico para muitos interesses libaneses e não apenas para seus dois signatários. Ambas as partes se beneficiaram com este acordo e estamos ansiosos para manter essa aliança e até mesmo desenvolvê-la.

Arábia e Israel preocupados

Sem dúvida, grandes desenvolvimentos ocorreram em nossa região e no mundo, após a saída de Donald Trump e a posse de Joe Biden. O Líbano é uma parte essencial da região e é afetado por tudo o que lá acontece.

A questão nuclear iraniana está na agenda da nova administração dos EUA e o Irã continua firme na sua posição. O mundo inteiro acompanhará a repercussão desse arquivo na região. As preocupações israelenses e sauditas são claras neste assunto.

Trump esperou até que ele partiu por um telefonema do Irã, que se recusou a recuar apesar de toda a pressão.

Há também os desenvolvimentos no terreno no Iêmen e o anúncio da nova administração dos EUA de encerrar seu apoio à guerra (saudita). Os irmãos no Iêmen permanecem atentos diante do anúncio dos EUA. Este anúncio é fruto da perseverança dos iemenitas diante do bloqueio de bombardeios e massacres.

Hoje, as posições mudaram, pois o Ansarullah e o exército iemenita estão em uma posição forte e a preocupação toma conta do lado dos sauditas e israelenses.

A prioridade dos EUA é combater a China e a Rússia

Quanto ao caso da Síria, vamos aguardar se o governo Biden permanecerá no leste do Eufrates.

A retórica dos americanos de que sua missão na Síria não inclui mais a proteção do petróleo coincidiu com a reativação do Daesh. O plano dos EUA é ficar no Iraque e a leste do Eufrates. Os americanos transferiram os terroristas dos campos de Qasad para a região de Tanaf e para o Iraque. Aqueles que derrotaram o Daesh no passado, o farão novamente. Qualquer ato para conter este projeto deve ser ofensivo e não defensivo.

Parece que a nova administração tem uma nova abordagem para lidar com os casos na região. Sua prioridade continua sendo combater a China, primeiro, depois a Rússia.

O acordo do século em declínio?

Quanto ao acordo do século, notamos uma queda nas suas forças e ninguém mais insiste em pedir a ser aplicado. O novo presidente dos EUA disse que não apoia a anexação de ‘Israel’ das Colinas de Golã. Ele também mencionou a solução de dois estados e a discussão do estatuto Alquds. O acordo do século está morrendo após a firmeza do povo palestino, da liderança palestina e do Eixo da Resistência. Notemos aqui a preocupação do lado israelense e depois do lado saudita.

Quando se trata da normalização dos países árabes com a ocupação, há exagero do lado israelense. A posição dos povos egípcio e jordaniano é um modelo claro de rejeição da normalização. É o mesmo para outros povos árabes e islâmicos. Existem países árabes e islâmicos, como Argélia, Tunísia, Paquistão e outros, que têm posições fortes e rejeitam qualquer tipo de normalização e acordos de paz.

Aqueles que se iludem, como os governantes do Sudão, descobrirão que a normalização com ‘Israel’ não resolverá seus problemas econômicos.

Os israelenses dão à questão da normalização mais do que ela merece, e os exércitos eletrônicos não expressam as verdades da nação e do povo.

A frente doméstica de Israel enfrentará realidades sem precedentes

Recentemente, o chefe do Estado-Maior israelense falou sobre a necessidade de ir além do simples bombardeio de alvos militares, pedindo a reforça dos alojamentos para civis. Sobre quem ele está mentindo?

Desde a sua criação, a entidade sionista nunca respeitou o direito internacional, destruiu cidades e massacrou civis em todas as suas guerras. Sempre buscou restaurar a imagem do exército mais terrorista do mundo.

Eu digo ao chefe do Estado-Maior israelense que se você atingir nossas cidades, iremos bombardear as suas, se você bombardear nossas aldeias, atingiremos seus assentamentos.

No caso de uma guerra iminente com a entidade sionista, a frente interna israelense enfrentará realidades nunca vistas desde 1948.

Não haverá guerra de poucos dias. Ninguém garante que os dias de luta não degenerem em uma grande guerra.

Fin/229


Faite Entrer votre commentaire

Votre e-mail ne sera pas publiée . Les champs obligatoires sont indiqués avec *

*

پیام رهبر انقلاب به مسلمانان جهان به مناسبت حج 1441 / 2020
conference-abu-talib